Roseana falou que a equiparação entre mulheres e homens nas esferas do Executivo, Legislativo e Judiciário ainda é um objetivo a ser alcançado. Ela lembrou que em sua primeira eleição 9% dos maranhenses afirmavam não votavam em mulher de jeito nenhum. “Esse foi o meu primeiro grande obstáculo como mulher. Porque só estava concorrendo a 91% dos votos.

Graças a Deus vencemos esse e vários outros que se colocaram depois”, disse.

A ex-governadora acredita que muitos políticos ainda se vangloriam de carreiras políticas de sucesso que foram construídas por mulheres nos bastidores. “Acho que essas mulheres deveriam ir para a linha de frente e deixar os bastidores”.

A atuação da ex-governadora nas redes sociais, que mostrou uma Roseana mais leve, também foi perguntada. “Na política, como mulher, eu sempre tive que ser mais dura do que qualquer pessoa. Nas redes sociais eu encontrei uma forma de ser mais humana. Adoro cozinhar, tocar meu violão. Me mostrar como eu sou de fato”, explicou.

2022 E PANDEMIA

Quanto a 2022, a ex-governadora afirmou que deu uma pausa na carreira política e que pretende voltar no ano que vem.

“Estou me preparando para a próxima. Ainda não decidi o cargo, quem vai dizer são as pesquisas e o povo do Maranhão. A princípio gostaria de me candidatar a deputada federal, mas quem vai decidir é o povo”, afirmou.

Sobre a pandemia a governadora acredita que a população deve ter na tragédia uma lição de humanidade. “Precisamos pensar mais nos outros, menos em nós mesmos, ser mais humanos. Acho que essa pandemia vai trazer essa lição”.

Do Estado